quarta-feira, 15 de Outubro de 2008

Cheguei


E, como sempre, cheguei em grande!

Como tudo havia corrido de uma forma excepcional durante todo o período de férias (cruzeiro, locais visitados, possibilidades de descanso bem como de divertimento) eis que, já chegados ao Porto, de desenrola o romance!

Tinha de haver um romance, bolas, eu estava lá!

Bom, lá chegámos. Muito bem-dispostos, muito deslumbrados, muito retemperados e essas coisas que é suposto estar após umas férias de sonho, quando nos apercebemos que, nenhuma da nossa bagagem tinha vindo connosco. É compreensível, na realidade nós também teríamos preferido ficar, mas a verdade é que não podia ser e tínhamos lá todos os nossos pertences.

Enfim, nada que não possa acontecer ou até que não nos tenha já acontecido.

Dirigimo-nos ao gabinete de perdidos e achados e, depois de aguardarmos um pouco, lá fomos (isto é, o meu marido foi, que nestas coisas compete e fica sempre bem ser o varão a tomar as rédeas da coisa enquanto eu aguardava uns passitos atrás como é bonito e convém) participar o extravio.

Tudo decorreu normalmente até ao momento em que a menina perguntou se queríamos ir lá buscar a bagagem ou que nos fosse entregue. Obviamente que optámos pela segunda hipótese ao que a referida “menina” retrucou que, nesse caso, só poderia ser entregue no dia seguinte (eram ainda 16 h e presumia-se que a bagagem chegasse no próximo avião vindo de Lisboa). Ora, uma vez que o meu marido havia ouvido a resposta dada ao anterior reclamante a quem tinham dito que receberia a bagagem ainda no próprio dia no hotel, quedou-se atónito, primeiro e, quando acordou, perguntou à funcionária porque é que os nossos pertences seriam entregues apenas no dia seguinte. A “flausina”, afivelou um ar ainda mais displicente e enfastiado do que aquele que até aí tinha ostentado e respondeu serem estas as normas sem excepções:

Hotéis – entrega no próprio dia

Casas particulares – entrega no dia seguinte

O meu marido, ainda cheio de paciência e de boa educação, tentou ter uma conversa com a “mulher” no sentido de tentar perceber a lógica da coisa ou então de lhe demonstrar quão absurda lhe parecia a situação uma vez que também nós tínhamos toda a bagagem extraviada o que nos traria grande transtorno. A “moçoila” lá ouviu (ou fez de conta) e, com o já normal ar entediado de “quero lá saber disso para alguma coisa, desampara-me mas é a loja” respondeu:

- o senhor tem de decidir; ou vem buscar, ou entregamos hoje num hotel ou amanhã em casa.

Aí, o meu marido “passou-se dos carretos” (fiquei toda contente pois costumo ser eu) e disse:

- Então quero que a bagagem me seja entregue hoje no Hotel…. em Esposende…

Convém aqui fazer um pequeno parêntesis para quem não é do norte. É que o aeroporto situa-se entre a Maia e Matosinhos e eu vivo na Maia. O hotel em questão é em Esposende que é já a meio do caminho entre o Porto e Viana do Castelo… Bem, consultando um simples mapa é fácil de ver a razão pela qual quase me dava uma coisinha má.

A incompetente mulher, manteve o seu ar de indiferença, tomou nota do local, entregou a cópia e lá viemos embora, ambos a ferver que nem crateras de vulcão, com toda a serenidade e bem-estar que tínhamos adquirido ao longo destes preciosos dias, arruinados em coisa de poucos minutos.

Calma, calma, não esfreguem as mãos de contentes porque a comédia ainda não acabou.

Apenas chegados a casa constatámos que não tínhamos connosco uma bolsa que continha os nossos passaportes e outros documentos de importância. A lógica dizia-nos que deveria ter ficado no balcão de perdidos e achados, mas a certeza não era nenhuma.

Telefonámos imediatamente para o número que constava da cópia da reclamação e foi-nos informado que não era possível contactar telefonicamente o balcão do serviço referido. Tínhamos de decidir por uma de três soluções:

Ir lá pessoalmente,

Mandar um fax pedindo a informação, ou

Contactar a P.S.P.

Claro está que o meu marido se deslocou de imediato ao local, dada a importância dos documentos em questão. Quando lá chegou, a incompetente empregada informou-o que tinha dado logo conta que tinham lá ficado e entregou-lhos.

Indagada pelo meu marido das razões que a levaram a não se preocupar sequer em fazer um telefonema para descansar o cliente em relação ao local onde tinha deixado documentos de tal importância, respondeu que não viu necessidade uma vez que seriam entregues com a bagagem quando ela chegasse.

Agora um comentário meu. Já não me espanta, entendo até bem a razão pela qual companhias aéreas de referência estão a falir quase diariamente. Nunca viajei numa companhia low cost, mas custa-me a crer que o atendimento feito pela ground crew tenha alguma hipótese de ser menos eficiente e efectuado com menos profissionalismo do que este; trata-se de um voo TAP que fiz em classe executiva…

17 comentários:

jrd disse...

Bolas! Palpita-me que está a necessitar de novas férias, mas, desta feita, talvez seja melhor ir de comboio...
Hoje em dia é assim e, já agora,também assim.
(leia se tiver tempo e paciência)

http://bonstemposhein.blogspot.com/2007/11/nas-asas-do-insulto.html

Temos de voar com aquilo que temos.

Sofia Loureiro dos Santos disse...

Finalmente, Donagata, e como sempre em excelente forma! Seja bem regressada.

A.Teixeira disse...

Que chegada em grande!

Donagata disse...

As minhas chegadas são assim: como eu!

Quando não são as chegadas são as partidas...

Donagata disse...

JRD, li atentamente o post que referiu. Trata-se de uma situação, a meu ver,mais grave ainda uma vez que aí estava em causa o bem estar, digo: o estar em condições aceitáveis, já não bem,de todos os passageiros do avião. Obviamente, quando ainda por cima se constata que o respeito pelos incapacitados é o que é... Enfim, fica-se triste. Eu gostaria, francamente, de dizer que tudo correu muito bem e que as pessoas que fazem parte do staf da companhia são espectaculares. A verdade é que nem de longe. E o que me irrita mais é a sobranceria e a indiferença com que lidam com as próprias falhas.

Parabéns pela forma elegante como está feito o post em questão.
Bom dia.

Cristina disse...

Bem-vinda, querida Donagata!

Beijinhos :))

Cristina Loureiro dos Santos

susana disse...

Olha, olha amanhã o tango vai ser mais animado!
Bem-vinda!
Quanto a low cost... de espanha para cá é muito mau, muito mau...

Donagata disse...

Pior do que isto? É lá possível! Refiro-me ao atendimento em terra...

Anónimo disse...

Ola Sra Donagata :)
Seja muito bem Vinda !
Tenho de lhe dizer q nao deixa de ser engraçado este Episódio , sei
o q é ficar sem a Bagagem no à chegada ao destino , bem chato por sinal !
Tenho q vos dar os Parabens pela forma como lidaram com a situaçao :) .
O seu Marido tem Espirito :)

É bom te-la por cá , beijo A.B.

PavlovDoorman disse...

DonaGata antes de mais bem regressada seja e cheia de espírito positivo espero eu.

Mas tenho um reparo a fazer-lhe, na TAP não há classe Executiva...Há uns bilhetes mais caros que eles inventaram para enganar a malta, pois o exemplo que relatou diz bem do espírito reinante na dita companhia aérea...

Beijinho

Donagata disse...

pavlovdoorman, efectivamente não posso concordar mais consigo.

Bom fim de semana.

Anónimo disse...

Ola Sra Donagata .
Desculpem-me mas nao posso estar de acordo , a T.A.P. a British e a Air France sao para mim das melhores Companhias !
Eu conheço-as , e claro , esta é apenas a minha Opiniao .
Tenho sim pena q tenha sido atendida por uma Flausina Deficiente ...
Acreditem , Experimentem a Ibéria ou a S.A.T.A. e dps digam-me qq coisa !...

Mais uma vez , seja bem Vinda .

Beijo , A.B.

Donagata disse...

Era também essa a minha opinião até há pouco tempo. Confesso que continuo a não ter muito que dizer em relação ao pessoal do ar.
A classe executiva, a meu ver, justifica-se em voos longos. Nos curtos realmente a grande diferença é no preço.
Devo dizer que viajo algumas vezes e o meu marido viaja mesmo muito e priorizámos sempre a TAP. Agora, não sei, embora creia que continue da mesma forma. São episódios terrivelmente desagradáveis, não deviam acontecer, mas isso mesmo, episódios.
Bom fim de semana

ing disse...

QUERO VOLTAR PARA A ILHAAAAAAAAAAA!!!!!!!!!!!:(

Donagata disse...

É mesmo bom loira! Mas não pode ser sempre...

Clara Branco disse...

Que grande aventura! O serviço da TAP até não costuma ser mau, pena é a falta de profissionalismo crecente de quem nos atende, mas acho que é geral. Já tive problemas sim, mas com a Air France, perdeu-me a bagagem, que só reavi uma semana depois, e o bilhete de volta!!! Compreende perfeitamente a frustração, e que tal ir novamente de férias para retemperar forças?
um Beijo

Donagata disse...

Clara, ir de férias novamente até que nem era nada mal pensado. Pena é que a vida não se possa fazer apenas de períodos de férias. Também depois não lhe dávamos o devido valor.

Beijos.

Boa semana