domingo, 16 de janeiro de 2011

“Quando tudo se desmorona” de Chinua Achebe

Mais um livro dos que pertenciam à lista dos recomendados por Valter Hugo Mãe e, mais uma vez, uma boa aposta de leitura.

Por isso presumo que, mesmo não tendo oportunidade de assistir às sessões do clube de leitores, irei fazer por ir lendo os livros recomendados para essas sessões.

Este, um livro escrito já em 1958, trata-se de um romance interessante mas é, sobretudo, um documento histórico e sociológico de indubitável valor.

Passado numa aldeia do povo Ibo, na Nigéria, nos finais do século XIX, inícios do XX, tem como protagonista Okonkwo um bravo guerreiro, próspero, aspirante a títulos de bravura, orgulhoso de si, da sua família, dos seus feitos, mas também do seu clã e do seu povo.

Este povo aguerrido, fiel aos seus costumes, respeitador dos seus deuses, dos seus antepassados, dos seus mitos, vivia uma vida apelidada de primitiva pelos colonos ingleses que surgiram para os evangelizar.

Contudo, este conjunto de clãs, organizados em aldeias hierarquizadas, evidenciava à época uma evoluidíssima organização social.

Com a chegada dos missionários deu-se início a uma mudança com a qual seria suposto acabar com os costumes “bárbaros”, alheios à vontade de Deus, mas deu-se início também (sobretudo) a uma época de torturas cujas razões estes povos não entendiam nem nunca haviam conhecido.

Com esta “pacificação”, tudo se desmoronou….

2 comentários:

Ana Luísa disse...

Olá olá!

Não sei se a tradução portuguesa inclui estes versos, de um poeta Irlandês (se não estou em erro), de onde vem o título do livro (em inglês, "Things fall apart"):

"Turning and turning in the widening gyrs
The falcon cannot hear the falconer;
Things fall apart; the centre cannot hold;
Mere anarchy is loosed upon the world."
W.B. Yeats, "The Second Coming"

Espero que esteja tudo bem por essas terras frias da Europa!

Beijinhos,
Ana Luísa

Donagata disse...

Não, Ana Luísa, pelo menos na versão que eu tenho não aparecem e é pena.

Espero que estejas bem. Um beijo